terça-feira, 31 de julho de 2007

PARABÉNS, BARREIROS!


João Barreiros é o Mestre incontestável da Ficção Científica Portuguesa e faz hoje 55 anos.

Que melhor forma de celebrar o evento do que iniciando uma série de entrevistas com os autores portugueses do Fantástico?

A começar por ele…

Nascido em 1952 e Licenciado em Filosofia, organizou em parceria com a Cinemateca Portuguesa e a Fundação Calouste Gulbenkian o Grande Ciclo do Cinema de Ficção Científica, em 1984. Dirigiu duas colecções com objectivos ambiciosos para o género em Portugal, tendo publicado a primeira tradução a nível mundial do NEUROMANTE de William Gibson, em 1985. É o autor de O CAÇADOR DE BRINQUEDOS E OUTRAS HISTÓRIAS (1993), TERRARIUM (com L.F. Silva, 1995), A VERDADEIRA INVASÃO DOS MARCIANOS (2004) e DISNEY NO CÉU ENTRE OS DUMBOS (2006).

Barreiros, depois de um interregono de dez anos, entre a publicação do TERRARIUM (1995) e da A VERDADEIRA INVASÃO DOS MARCIANOS (2004), no qual publicaste apenas um conto por ano nas antologias da Simetria (1996-2000), os últimos meses assistiram à publicação de duas noveletas (uma pela
Saída de Emergência e outra pela Livros de Areia), à republicação de um conto de 1995 (pela Chimpanzé Intelectual) a qual foi também traduzida e incluída na EUROPEAN SF HALL OF FAME (2007); Aguarda-se para os próximos meses a publicação de A BONDADE DOS ESTRANHOS: PROJECTO CANDYMAN (Chimpanzé Intelectual) e uma colectânea dos teus contos dispersos (pela Livros de Areia), um conto numa antologia sobre brinquedos, AS IDADES DO BRINQUEDO (2007) e um de horror, SE EU MORRER ANTES DE ACORDAR (também pela Chimpanzé Intelectual). Para além disso, voltaste a assinar críticas para o Público. Sentes que aos 55 anos, começas a obter o reconhecimento que mereces?

Penso que o que aconteceu não passa de um mero exercício de sincronicidade. Mas lá pelo facto de eu ver publicado um conto aqui e ali, isso não quer dizer que um determinado autor seja lido. Os livros continuam a vender-se pouco. Os adultos deixaram de ler FC. E os jovens só lêem fantasia infanto-juvenil. Os editores, mesmo aqueles que publicam obras próximas do fantástico, recusam-se a pés juntos a publicar seja o que for que se passe no futuro, mesmo que esse futuro seja o dia depois de amanhã. Continua a não existir uma crítica especializada: — note-se, por exemplo, que nenhum jornal falou do DISNEY nem da VERDADEIRA INVASÃO... E também estou quase certo que ninguém falará da BONDADE...

Numa nota recente da Caminho, fui informado que quanto às vendas do CAÇADOR e do TERRARIUM, nenhum deles ultrapassou os 800 volumes. E é de lembrar que já faz 10 anos desde a publicação do TERRARIUM. Portanto a minha “invisibilidade” permanece tal qual.

Ao contrário de outros autores, nunca fugiste à Ficção Científica, mesmo quando escreves no modo do horror. Porquê esta fidelidade a um género que a intelligentzia portuguesa despreza?

Por uma questão de militância. De marcar posição. De fazer frente ao passado. Por me divertir, sonhar o futuro ou mesmo ter saudades dele. Porque escrevo como uma forma de prazer onde o mundo inteiro é espectáculo. Prefiro mil vezes esse universo exterior, esse universo-como-personagem do que a circularidade do meu umbigo, a poesia sem rima, e todas as temáticas urbano-depressivas sobre conversas de cama e morte de familiares. O quotidiano aborrece-me. Os super-mercados nauseiam-me. Noites de farra aborrecem-me o fígado. Sobre que falar então? Dizia alguém que toda a linguagem é metafórica. Mas a FC é o único género onde a metáfora é realista, onde todas as palavras terão de ser cuidadosamente medidas. Aqui, "um céu demasiado azul", implica a possibilidade do sol se estar a transformar numa gigante branca...

A alienação da FC por parte do establishment cultural encontra um espelho tão tortuoso quão divertido nos E.T. que povoam as tuas obras: desde Mr. Lux no TERRARIUM que colecciona avidamente todas as pulps, até às tenebrosas aranhetas que estrebucham quando Chekov é interpretado num palco. Porquê esta fixação que os alienígenas barreirianos nutrem pela “nossa” FC?

Uma ideia que sempre me fascinou, mas que raramente vi tratada por outros autores, é pensar que os alienígenas, se é que existem, poderão ter formas de Arte. E que essas mesmas formas de arte resultarão perfeitamente incompreensíveis quando colocadas perante os nossos olhos.

Brian Aldiss tratou desse assunto de uma forma quase escatológica quando colocou os seus extra-terrestres a viverem uma profunda experiência estética perante as respectivas poias. Inversamente, também poderemos perguntar o que sentirão eles ao ler... bom, digamos, o Proust ou o Saramago? No ciclo das Aranhetas incluí o conceito de que todos os textos demasiado “literários” possuem uma densidade assassina. A leitura mata alienígenas, literalmente. Como se fosse uma arma. Como se um “clássico” tivesse, como subtexto, uma espécie de meta-mensagem onde as depressões do seu autor resultariam em ordens subliminais de auto-destruição.

Pela minha parte pergunto-me se os proverbiais extra-terrestres também escreverão FC. E que pensarão eles de nós, os tais “monstros de olhos achatados”?

Já o herói barreiriano, ao contrário, por exemplo, do engenheiro heinleiniano, é um tipo que está constantemente no lugar errado, na hora errada, a fazer a coisa errada. E, no entanto, tem sempre uma convicção interior muito forte. São como miúdos traquinas, que encontram na tecnologia o supremo dos brinquedos. São reflexos do teu próprio papel nos meios da FC e da literatura?

Yeap. Como dizem os nossos amigos britânicos, “shit happens, and happens at the worst possible moments”. Os meus personagens são exemplos disso. Talvez essa marca esteja mais presente na minha última novela, A BONDADE DOS ESTRANHOS: PROJECTO CANDYMAN.

A revolta de Joana contra uma instituição que a tramou, seja ela humana ou alienígena, só pode ser catastrófica. Quem teve infâncias monstruosas comete actos monstruosos quando adulto. Mas em boa verdade, é aborrecido estar sempre revoltado contra o mundo. A raiva perante a estupidez ou a ignorância é um sentimento que nos consome. Não me apetece passar a vida a tomar anti-ácidos. Porque afinal o meu coração respinga de uma “bondade” incontida.

E embora as minhas histórias sejam hiper-violentas, isso serve um pouco como forma de terapia. Na vida real posso ser bondoso como um cordeirinho acabado de nascer...


Quem tem o prazer de te conhecer pessoalmente sabe que nutres um maravilhoso fascínio pela tecnologia. Como encaras a onda de obras de Fantasia escritas por adolescentes e que parecem ser verdadeiros manifestos tecnofóbicos (um jovem autor, ainda em recente entrevista ao suplemento ÍPSILON do Público, se vangloriava de que no “seu mundo” a pólvora jamais seria descoberta)? Como sintomas de uma doença da cultura popular portuguesa, ou mero oportunismo face aos fenómenos Harry Potter e Senhor dos Anéis?


De facto não haveria coisa mais interessante do que introduzir tecnologia num mundo medieval.

Mark Twain inventou esse conceito genial no seu livro “Um Yankee na corte do Rei Artur”.

Lembro-me ainda do THE MAN IN BLACK, do John Brunner, onde um “exorcista” renegava todas as bolsas de “magia”, graças a uma atitude racional e positivista. Recordem-se da série de fantasia da Sheri Tepper, THE TRUE GAME, onde nevava em todas as batalhas onde participavam magos, pois estes iam roubar energia térmica ao espaço em volta, para os seus feitiços.

Ou as minas no centro da Terra, onde vivem os demónios, e os humanos vão sacar-lhes as “poias” cristalinas, que muito valem no nosso mundo. Sem esquecer toda a “tecnologia” necessária para as recolher. Não percam o ciclo de Nifft, the Lean, do brilhante autor Michael Shea, que infelizmente tão pouco escreve.

As oportunidades de sabotar o esquema da fantasia introduzindo nele pequenas gotas do pensamento científico são muitas e memoráveis. Pensem em Jack Vance, China Mièville, Scott Lynch, Steven Erickson, para apenas citar alguns exemplos.

O problema não está aí. Localiza-se principalmente numa falha de imaginação, ou mesmo de ousadia, pois, tal como acontece na FC, autor que não tenha nunca lido antes fantasia, corre o risco de reinventar a roda. Estes jovens autores deveriam ter uma mão editorial que os ajudasse, que lhes dissesse que deveriam ganhar um pouco mais de maturidade. E que deveriam ler muito, muito mais antes de começarem a escrever.

Mas é também uma doença cultural, claro. A desconfiança no futuro. O medo da mudança. O peso do imaginário judaico-cristão que força autores e leitores a criarem heróis positivos, sempre a combaterem contra as forças das Trevas. Ah, que saudades da BLACK COMPANY do Glen Cook, onde os heróis eram uma horda de mercenários malvados e violadores, a combaterem pelo lado das trevas...E recordam-se do Thomas Covenant, o herói leproso de Stephen Donaldson que logo nas primeiras páginas, chegado ao mundo da fantasia, “viola” uma jovem que se prestou a ajudá-lo?

Aqui para nós, digo o mesmo que Steven Erickson já disse algures: Se voltar a ouvir falar de uma jovem guerreira a querer lutar contra as forças do Mal, vomito. Pronto. É uma atitude assaz escatológica, concordo, mas talvez seja a única possível.

Dirigiste colecções na Gradiva e na Clássica, foste publicado pela Caminho, Presença, Saída de Emergência, Livros de Areia e chimpanzé Intelectual: como vês o papel das editoras portuguesas?

Bem que gostaria, nestas curtas linhas, de glorificar o heróico papel das editoras portuguesas na defesa do género. Infelizmente não é esse o caso.

As velhas editoras que publicavam FC, publicavam-na a medo, quase sem nenhum investimento. Tinham tendência a escolher as piores obras dos piores escritores pois os direitos de autor eram muito mais baratos. Não queriam publicar obras com mais de 200 páginas, excluindo assim, para todo o sempre, livros memoráveis como o STAND ON ZANZIBAR do Brunner ou o RIVER OF GODS do McDonald, para apenas citar dois exemplos.

Depois não se investia em bons tradutores. Para quê?, perguntavam as Editoras. Não será a FC uma para-literatura, dedicada aos geeks e aos adultos com problemas de crescimento emocional?

Outras editoras preferiam apenas publicar tie-ins, dizendo que eram precisamente esses livros que garantiam a publicação ocasional de outros melhores que ninguém iria ler.

A verdade é que todas elas acabaram. Hoje em dia não há em Portugal uma única editora a publicar FC. Os editores, quando pensam publicar qualquer coisa no domínio do fantástico, pedem ao agente literário que lhes envie qualquer coisa simples, barata, e sem grande exigência estilística.

E quando por mero acaso publicam FC sem o saberem, como no caso da ESTRADA do Cormac McCarthy, louvam-no como algo de profundamente original como se a FC não tivesse já tratado desse tema muito, muito antes e muito, muito melhor.

Ou chega a acontecer que um editor “esconda” que o livro é de FC, e na capa, em vez de um disco voador, ponha uma “passarola”, quem sabe para não assustar as “tias” que costumam ler romances históricos.

Provavelmente estão a defender-se ao procurarem vender um produto com outro rótulo. Mas a FC é um anátema, sim, para qualquer editor que se preze. É por isso que não existe uma única revista do género a ser publicada em Portugal.

Se eu fosse rico, se tivesse milhões de euros para estoirar, gostaria de publicar uma colecção de FC a sério, com boas obras, bons autores, bons tradutores, boas capas. Para que em seguida pudesse dizer, “depois de mim, o dilúvio”.

E se te convidassem para organizar outra colecção de Literatura Fantástica, hoje, que títulos escolhias?

Na FC escolheria Space Operas, começando pelas mais comerciais, tipo David Weber, mas sem esquecer Baxter, Reynolds, Hamilton, Banks. Talvez uma FC militarista, pós-Heinlein, tipo David Drake, David Feintuch ou Elizabeth Moon. E porque não a série do Miles da Lois McMaster Bujold?

Em Fantasia há sempre um Scott Lynch, um Abrecombie, um Donaldson, uma Martha Wells, um Sean McMullen, uma Robin Hobb... No horror há sempre um McCammon, um King, um Straub. Tudo depende da promoção...

E pelo inverso: se te pagassem principescamente para escrever uma fantasia juvenil… que história contavas?

A história de uma cidade com uma Torre imensa, uma torre que ligava o céu às profundezas do inferno habitado por demónios. Essa torre teria um balancé interior, uma espécie de giroscópio interno que a manteria direita. A história trataria de um jovem artesão, chamado Filipinho, responsável pelas engrenagens que mantêm o giroscópio funcional. Até que um belo dia...

Apesar de não teres sido o primeiro autor de FC em Portugal, a qualidade e ímpeto dos teus textos, e a acutilância das tuas críticas, rapidamente te erigiram como o “expoente” da FC portuguesa. E, desde a tua primeira publicação semi-amadora (DUAS FÁBULAS TECNOCRÁTICAS, 1977), continuas sem “rival” à altura, apesar da manifesta qualidade de autores como o Luís Filipe Silva. Como vês hoje a FC portuguesa? Em que mudou desde que começaste a escrever?

Ora, nada. Ninguém escreve FC em Portugal, a não ser uma ou outra obra de cariz amador, publicada em edições de autor que logo são engolidas pela Grande Noite. Gostaria que o Luís Filipe Silva voltasse a escrever sem se preocupar com as posições dos intimistas ou urbano-depressivos. Gostaria que um certo João Seixas tivesse tomates para terminar a sua parte do tríptico.

Quando eu e o LFS escrevemos o TERRARIUM (até agora julgo eu, o mais volumoso livro de FC nacional jamais publicado na história do género) julgámos que ele ia abrir portas, entusiasmar novos escritores como uma forma de desafio para que nos suplantassem em tamanho e ousadia. Nada disso aconteceu. O TERRARIUM foi como que o canto do cisne.

Bem que gostaria de ter um rival. Ou mesmo dois ou três. Mas nada.Escrever no vazio, sabe-se lá para quem, dói que se farta.

Numa recente visita à Polónia que, como toda a gente sabe, não “existia” antes dos anos 50, encontrei livrarias imensas, com secções avultadas dedicadas à FC, com quase “tudo” traduzido e, para grande espanto meu, mais de 20 autores polacos todos eles com obras de FC disponíveis (e não estou a falar aqui da fantasia). Ter na frente aquelas fileiras de autores polacos — autores a que nunca poderei ter acesso por causa da língua — encheu-me de uma surda tristeza. Lembro-me de um livro enorme, que o Michael Kandell muito louvou, OCEANO NEGRO, de um tal Jacek Dukaj, ao que parece uma resposta sublime ao STAND ON ZANZIBAR. É terrível pensar que a Polónia defende os seus autores, que há quem os leia e os publique.

E que aqui, nada existe, nem vai existir no futuro próximo pois a iliteracia continua a crescer como um cancro.


Pegando nesse exemplo: e a FC em si, extra-fronteiras? Sempre foste defensor do óbito da FC que Clute pronunciou no início dos anos 90 (e que depois retractou parcialmente). Achas que havia razões para o pânico? Ou a FC morreu mesmo, e a nossa actividade não passa de necrofilia?

A FC tradicional está a envelhecer. Os grandes autores da Golden Age estão hoje extintos. Os da terceira geração (pós-New Wave) andam a morrer como tordos. Os livreiros conglomerados só apostam em mega-bestsellers, o que significa que a FC foi varrida das estantes da maior parte das livrarias. Um pouco por todo o mundo as livrarias “especializadas” foram mergulhando no abandono e na falência. Tome-se à guisa de exemplo, a extinção da maravilhosa MURDER ONE em Charing Cross Road.

Um autor conhecido deixa de ser publicado porque os editores preferem apostar na edição da primeira obra de um jovem arrivista. Mas a verdade é que este desgraçado só pode publicar quatro vezes na mesma editora antes de ser escorraçado para as trevas exteriores. Todos eles dependem da análise estocástica das futuras vendas. E se essa previsão do futuro não se revelar propícia...então...

Mesmo assim a FC britânica, principalmente o novo género da Space Opera Gótica continua sublime. E porque estes senhores continuam a escrever pelo menos um livro por ano, está salva a honra do convento.

Leiam por favor Ian McDonald, Ian R. McLeod, Peter F. Hamilton, o Alastair Reynolds, Jon Courteney Grimwood, Ian R. Banks para apenas citar alguns. São eles que mantêm a chama acesa. Quanto a eles serem publicados em Portugal...ah...tristes tristezas!

Que consideras ser necessário para inverter essa situação nesta lusa periferia? Ou é mesmo um beco sem saída?

Para inverter a situação seria necessário que as Editoras começassem a publicar livros “diferentes”, mesmo que nada ganhassem no início. Depois teria de haver programas na TV dedicados ao género, clubes de leitura, livrarias especializadas e...mais do que tudo, duas ou três revistas mensais, bem produzidas, bem ilustradas, a anos-luz das BANGs, por exemplo.

E depois sessões de hipnagogia sob as almofadinhas de todos os bebés, a dizer-lhes o que devem ler.

Infelizmente já chegámos tarde. Os miúdos, hoje em dia, são filhos de duas gerações que nunca leram. As casas deles, mesmo os que são filhos de professores, não têm livros, portanto como hão-de eles iniciar o processo de leitura? As bibliotecas das Escolas nada têm que seja novo ou diferente. E, como os professores responsáveis por essas bibliotecas também não lêem, como hão-de eles estimular os miúdos? Desconheço quais as obras que foram incluídas no Plano Nacional de Leitura para os jovens das Escolas. Mas desconfio que, entre elas, não haverá um único romance de FC. Lembro-me que, aqui há alguns anos, os meninos do Colégio Francês liam as CRÓNICAS MARCIANAS do Bradbury, e faziam eles muito bem.

E, já agora, como farias para introduzir à literatura fantástica uma nova geração de leitores jovens, atafulhados em playstations, DVD e telemóveis 3G?

Seria muito difícil. Os jovens hoje em dia sofrem, como já disse, de iliteracia. Isto quer dizer que, mesmo sabendo ler, não percebem aquilo que leram. Tive disso um belo exemplo quando na Escola onde sou professor, uma turma do 10º ano tentou ler o DISNEY NO CÉU...Só rir, só rir...

A título de exemplo, disseram que não tinham gostado do fim, porque acabava mal...porque é que eu não o reescrevia? Acabar mal, exclamei espantado! Mas tem um happy end múltiplo: A Suzana ganha porque defendeu a prole. A prole ganha porque pôde nascer aos milhões. Marklin ganha porque conseguiu fugir à Suzana. O Rato Negro ganha porque atingiu a Singularidade gnóstica. As ninhadas de ratinhos ganham porque se puderam reproduzir em grandes orgias. A Diáspora ganha porque pôde deitar as mãos a um gerador de hiper-espaço. Afinal ganharam todos e viveram felizes para sempre.

E ao dizer isto vi os olhares aterrados das criancinhas e professoras, sempre habituadas ao triunfo monolítico do Bem contra o Mal.

Mas sugiro a leitura comentada de contos escolhidos a dedo. Sugiro clubes de cinema e ateliers de escrita criativa, na escola, e não só.

E por falar em escrita criativa: qual é o método de escrita do João Barreiros? Qual é o segredo do sucesso, atendendo a que qualquer pessoa que já escreveu contigo sabe que és um autor rápido e profíquo...

O plot nasce com uma imagem única que depois se divide para trás e para a frente da árvore narrativa. Depois é esperar a possessão da Musa, que chega em sonhos ou nos momentos mais inopinados do dia.

É uma forma terrível de submissão a uma força maior que me deixa esgotado e a tremer de frio.

Quando a Musa surge, as coisas avançam, mosaico a mosaico. Quando não chega, as histórias morrem a meio. A maior parte das vezes as soluções do plot chegam em sonhos como uma intuição. No caso da BONDADE vivi vários meses com a imagem sufocante de um jardim implacável onde a Joana andava perdida.

O que nos leva à inevitável questão: Barreiros, esta actividade é para continuar? Tens mais projectos em mão?

Bom, estou a pensar escrever um romance steampunk a meias com um certo senhor que todos conhecem. É também uma história alternativa, pois aqui as teorias criacionistas são verdadeiras. As vagas criacionistas espalham-se em ondas, pelo Cosmos, alterando tudo por onde passam, reformatando a vida nos planetas por onde já passou uma onda anterior. O que aconteceria ao nosso mundo se sofresse dois impactos sucessivos, um no Séc. XVIII e outro no inicio do Séc. XXI?

Ah, o romance steampunk, pois… errr… estou atrasado com isso, não é?


Obrigado Barreiros. E feliz aniversário.

9 comentários:

Safaa disse...

Parabéns, João Barreiros!

A entrevista sintetiza todos os pontos principais das ideias de João Barreiros e o que pensa em relação à literatura fantástica, mas gostei de ver que foi mais além do tom ácido e arrasador, sendo esta uma entrevista mais esclarecedora (não deixando, no entanto, de enviar umas quantas farpas) que expõe de forma pertinente e "straight to the point" muitos dos problemas que enfrenta a FC em Portugal e no resto do mundo.

E claro, as recomendações de livros e autores João Barreiros são já uma leitura interessante só por si.

Jeserac disse...

Salve, Mestre!

Na impossibilidade de tomar o tele-transporte das 13:30h para parabenizá-lo materialmente, nós aqui ao sul do Equador vamos homenageá-lo tomando uns bons goles da incomparável cachaça Velho Barreiro!

E continuamos torcendo também para que continues por muitos anos ainda como uma lenda viva da FC lusófona!

UGA,
Alfredo Keppler

jeserac disse...

Prezado Seixas,

Eu edito o fanzine Somnium do CLFC e gostaria de obter a tua permissão para publicar essa excelente entrevista do Barreiros, na próxima edição, a de de no. 100.

Sds.,
Alfredo Keppler / CLFC Brasil
alfredo.keppler@utc.com.br
PS: escrevo aqui por não ter o teu endereço electronico!

Luis CR disse...

Estimado Barreiros,

Pena que as únicas referências à Saída de Emergência sejam para dizer mal. A primeira porque pelos vistos a revista "Bang!" estava a anos de luz de algo aceitável e, a segunda, para criticar a escolha de uma passarola em vez de um ovni na capa de "As Fogueiras de Deus".

Quanto à "Bang!", e para que pudéssemos elevar o seu nível,tenho pena que alguns iluminados da FC portuguesa arranjassem sempre desculpas para não participarem. A tua colaboração resumiu-se a um artigo no primeiro número (intitulado "A armada está a implodir e o imperador não quer saber"), praticamente igual a esta entrevista do Blade Runner, em que desembrulhaste a já conhecida manta de queixas.

Quanto ao livro "As Fogueiras de Deus", foste tu próprio que recomendaste à editora que o publicássemos! Foste tu quem o traduziu! Seria de pensar que dirias coisas boas para promover o livro na Internet. Infelizmente a única coisa que te ocorre é que... a passarola devia ser um ovni! É pena.

E quando há autores portugueses de FC que se dão ao luxo de recusar convites para participar numa antologia de história alternativa a publicar em 2008 (como foi o teu caso), eu até poderia pensar que, afinal, a FC em Portugal está muito bem.

Não leves a mal as críticas, eu também não vou levar a mal as tuas. Mas sublinho que as choraminguices já fartam e está na hora de se deixar o Terrarium para trás. Fica aqui o desafio: escreve-me um bom romance de FC que eu publico. Não quero noveletas, não quero antologias, não quero textos a 4, 6 ou 50 mãos. Quero um bom romance escrito por ti. E então, temos homem?

Abraço,
Luis CR

Barreiros disse...

Ora bem:
Vou tentar ser preciso na minha resposta.
Ponto 1
Eu não disse mal da SAIDA DE EMERGENCIA. Falei que uma revista de FC em Portugal, para vencer teria decerto de ser diferente da BANG. De facto a revista BANG não vendeu, porque continuava com aspecto de fanzine e não de revista "literária" para um público adulto. Pensem no aspecto mais sintetico da ANALOG ou da ASIMOV's, ou mesmo no look mais "glossy" da INTERZONE ou da BIFROST francesa, oara perceberem o que eu quero dizer. E não é só com a prata da casa que se faz o miolo de uma revista, porque a prata é pouca. Tem de ter gente de fora, essencialmente. E para ter gente de fora é preciso pagar pequenas fortunas, mesmo para contos.
Ponto 2
Quanto ao livro da Patricia eu não disse mal da obra, apenas me referi à capa. Tanto mais que a Patricia escreveu um posfácio enorme só a falar das suas experiencias com OVNIS.
O sentido da pergunta do Seixas não visava a recomendação de livros publicados em português, mas sim da atitude dos editores em relação à FC.
´Ponto 3
Participei na BANG com um artigo que o editor dela me encomendou. Teria também participado com um seriado a la Paul di Filippo (semelhante às colunas que ele escreveu e escreve para o Magazine of Fantasy and SF) se o editor não o tivesse recusado por razões que lhe dizem respeito. Também não sairam muitos mais numeros para que eu pudesse fazer outra coisa. Mas se aquilo que eu escrevia não se ajustava à politica editorial da BANG, para quê escrever mais?
Ponto 4
Se como dizes, apenas faço a já "conhecida manta de queixas", para quê pedirem-me mais, ou lerem sequer aquilo que escrevo? Se acham que estamos no melhor dos mundos, escutem um pouco o que disseram sobre este mesmo assunto os autores estrangeiros convidados pelo Forum Fantástico. Se há coisa que detesto é incompatibilizar-me com as pessoas. Detesto conflitos, ameaças, intimidações e proibições de dizer aquilo que penso.Basta-me a partir de agora guardar aquilo que penso só para mim. Se o resto do pessoal está feliz com o que tem, tanto melhor para todos.
Ponto 5
~Quando me perguntarem que livros eu recomendo em Português eu digo. Só que o Seixas não me perguntou isso. Mas todos os que eu recomendei eu continuo a recomendar. Os que já sairam e os que estão para sair.
Ponto 6
Eu não escrevi um conto para a Antologia da Monarquia alternativa porque sinceramente, nada tenho a dizer sobre o assunto. Não me "dou ao luxo" de recusar nada. Mas para escrever algo mediocre e inócuo mais vale estar quieto. Não me vejo retratado nela, os reis nunca me disseram nada. Mas penso que tens autores suficientemente bons para a antologia poder viver. Não precisas de mim, neste caso.
Ponto 6
Como muito bem sabes, eu, assim como muito boa gente no mundo da FC, só gosto de escrever contos e noveletas. O tipo de intensidade das minhas histórias não funciona de todo num romance. E escrever um romance custa muito, demora muito tempo e faz sofrer. E se ele em última análise é recusado? Lembro-me do que sofri no caso do TERRARIUM e não me apetece repetir a experiencia.Lembras-te que prometeste publicar a BONDADE DOS ESTRANHOS que é maior ainda do que o livro da VERDADEIRA INVASãO...
Mas...
É certo que é um curto tomance, (50.000 palavras), mas é maior do que o ENRABA-PASSARINHOS ou o primeiro livro de contos do David Soares.
Sinceramente não sei se alguma vez escreverei um romance. Tudo o que eu gosto de fazer centra-se em novelas e noveletas...mas a verdade é que os editores receiam publicar antologias de contos, como se o conto fosse inferior ao romance. E não, pelo menos nesta encarnação, nunca conseguirei escrever um romance histórico...

Peço desculpa pelo desabafo, mas a verdade é que me sinto cada vez mais prisioneiro de um regime autoritário do "politicamente correcto" onde só se pode dizer bem mesmo que não haja razões precisas para o fazer.

Respeito por completo a liberdade dos outros. O E-NIGMA cascou violentamente na VERDADEIRA INVASÂO e eu lá por isso fui ameaçar o Candeias? O mundo da critica é assim, todas as opiniões seguem um critério pessoal não vinculativo à natureza da VERDADE, se é que ela existe na sua universalidade.

Abraços

João

Luis CR disse...

Viva,

O convite permanece: quando quiseres escrever um romance de FC (em nenhum lado me referi a um romance histórico) fala connosco.

Quanto à BONDADE DOS ESTRANHOS, é preciso salientar que NUNCA a prometi publicar. Manifestei sim interesse no tríptico do qual ela fazia parte. Tanto quanto sei, esse tríptico continua sem existir...

É certo que ninguém te pediu para recomendares livros, mas também ninguém te pediu para criticares nenhum. No entanto, lá arranjaste tempo para alfinetar o "Fogueiras de Deus".

O mais curioso é que num ano em que publicámos grandes autores como Tim Powers, Mervyn Peake, George Martin, Fritz Leiber, Patricia Anthony, Arthur Machen, Michael Moorcock, Kiril Yeskov, John Gardner, Lord Dunsany, Richard Matheson... nem um elogio teu se ouviu. Talvez as alfinetadas dêem menos trabalho, não sei...

Quanto a não quereres participar na Antologia Monárquica, estás no teu direito... mas ninguém disse que tinhas de elogiar reis e fazer vénia à monarquia. Pelo contrário, podias desancá-los à vontade. E seria um conto, como tanto gostas...

Precisamente por respeitar a tua liberdade de opinião é que leio o que escreves e respondo quando sinto que o devo fazer. Também terás que respeitar a minha liberdade para criticar as tuas críticas. Longe de mim incompatibilizar-me contigo ou querer proibir-te de dizer o que quer que seja...

Não sinto que a FC em Portugal viva no melhor dos mundos, mas sinto que há outras coisas que podias fazer para a promover... e não fazes.

Barreiros disse...

Sem querer ser fundamentalista, o que eu venho desde sempre a insistir, é que não se tem publicado FC hard em Portugal. O único livro publicado este ano que se pode aproximar um pouquinho do género, é o 5º DIA. E mesmo assim será mais próximo do tecno-thriller do que da FC.
Quanto aos autores que mencionaste e que eu respeito, nenhum deles é de FC.
Tim Powers é fantasy.
Merwyn Peake, pode estar próximo da FC,(embora essas sugestões só apareçam apenas no terceiro volume), mas até à data da entrevista, o 1º volume ainda não foi publicado.
George Martin é Fantasy.(E ainda não tinha sido publicado)
Fritz Leiber é Fantasy.
Michael Moorcock é Fantasy.
Arthur Machen é Horror metafísico.
Kiril Yeskov é Fantasy.(E ainda não foi publicado)
John Gardner é Fantasy (E ainda não foi publicado)
Lord Dunsany é Fantasy.(E não tinha sido publicado à data da entrevista)
Richard Matheson é terror/FC, (E ainda não foi publicado---aliás já teve edição portuguesa na Argonauta, com o nome O MUNDO DOS VAMPIROS e capa de Lima de Freitas, acho eu.)
Patricia Anthony é uma Fantasia da História, onde os cinzentos são uma metáfora.
Aliás não sei se tinha permissão tua para falar publicamente de livros ainda não publicados. Sei que os Editores não gostam muito que se faça isso sem o consentimento deles.

Quando surgir um livro genuinamente de FC, estou certo que falarei dele, para o bem e para o mal, dependendo da qualidade da obra.

Não tenho feito outra coisa senão tentar promover a FC em Portugal, como muito bem sabes. Dirigi o GRANDE CICLO DE CINEMA DE FC da Cinemateca em 84. Dirigi duas colecções de FC. Fiz critica continuada de FC no Público durante vários anos. Escrevi 3 livros dentro do género. Na SIMETRIA trouxe autores fundamentais da FC para Portugal --- Spinrad, Aldiss, Haldeman, Stableford, Gwyneth Jones, Geoff Ryman, Christopher Priest, und so weiter.
Fui convidado a Nantes, Gijon e Sevilha para falar de FC.
Consegui que a FC portuguesa tivesse edições em ligua espanhola, francesa e Inglesa.
Se isto não é defender um género, não sei o que será!

Na próxima semana vou falar à CAMARA CLARA precisamente sobre FC. Contava falar de alguns dos livros que a SAIDA DE EMERGENCIA publicou, mas, se quiseres, também posso não dizer nada.

Luis CR disse...

Acabaste de explicar a ti próprio, melhor do que eu alguma vez faria, a razão de termos usado uma metafórica passarola e não um ovni na capa de "As Fogueiras de Deus". Usando as tuas próprias palavras: "Patricia Anthony é uma Fantasia da História, onde os cinzentos são uma metáfora."

Quanto à questão do que fizeste pela FC portuguesa, bem, não quero ser injusto e dizer que não fizeste nada no passado. Nos anos 80 e 90 até terás estado muito activo. Nos últimos anos não tenho visto críticas tuas em lado algum, nem um blogue tens onde possas falar, criticar e promover o género. Na verdade, Barreiros, só apareces quando é para dizer mal. O mais estranho é que não te tenhas apercebido da tua própria postura. Toda a gente se apercebeu. Espero que ao menos valorizes o facto de, em vez de te criticar pelas costas, te chamar a atenção abertamente. E, para te provar que não sou de ressentimentos nem estou aborrecido com ninguém, mantenho em pé a minha oferta para publicar um romance teu de FC.

Frederico disse...

Boa tarde

Há algum tempo que sou um apaixonado por Júlio Verne e decidi fazer um site e um blog dedicado ao autor francês.

Entretanto chegou ao meu conhecimento que havia uma obra escrito por lusitano onde esse autor tinha o papel principal junto com outro mestre da ficção científica.

Li-o e..só tenho uma palavra: ESPECTACULAR!

Tentei por mais que uma vez contactar o mestre João Barreiros, a partir da editora, de outros blogs, foruns, etc..) e nada, até que HOJE encontrei este blog e talvez (tudo indica que sim) tenha sorte.

Para mim, pelo que tenho lido, esse senhor é de facto um "verniano". É sem dúvida uma das pessoas que mais conhecem a obra de Verne e melhor escreve sobre ela..e olhem que conheço muitos vernianos nesse mundo fora!
Escreveu belíssimos artigos sobre o gaulês em vários sites/jornais/revistas, etc e afim de trocar algumas impressões será possível tentarem chegar a ele o meu contacto? Ficaria bastante agradecido.

jverne@portugalmail.pt
www.jverneportugal.no.sapo.pt
www.jvernept.blogspot.com

Muito obrigado,
Frederico.